domingo, 27 de fevereiro de 2011

Meu mundo...

Viver em sociedade é muito bom, mas por vezes precisamos de ter um escape, precisamos de ter o nosso mundo para podermos ser como queremos e para viver um pouco à nossa maneira. Adoro conviver e estar com as pessoas que amo, mas também preciso dos meus momentos. Todos nós precisamos de ter um pouco de tempo para nós em que nos iremos esquecer das normas da sociedade e sermos apenas nós sem termos de nos preocupar se nos irão apontar o dedo ou não, pelo nosso comportamento não ser o mais adequado. Vivemos todos num mundo global, em que dentro dele está cheio de mundinhos soltários ou completos de união e amizade. No fim, só procuramos descobrir quem somos. Assim iremos saber o nosso papel em sociedade e no nosso pequeno mundo.
Muitas pessoas acham que o mundo é só um, e eu concordo. Mas dentro dele existem muitos mundos descobertos ou por descobrir. Cada qual sabe de si próprio e não devemos julgar os outro, sem saber primeiro o que se passa. É necessário viver com os pés bem assentes na terra e a cabeça no lugar. Sem isto somos de um mundo vazio ou perdido, em que não nos conhecemos, sem sabemos o que fazemos.
...

sábado, 26 de fevereiro de 2011

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

domingo, 20 de fevereiro de 2011

sábado, 19 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Fernando Pessoa

Este homem era um espetáculo! Mas à alguma coisa mais fantástica que um indivíduo ter muitos sujeitos dentro dele próprio? Isto é incrivelmente espetacular! (Haver até à mas isso não interessa nada agora para o caso).

Verdade é que eu já gostava um bocadinho de Fernando Pessoa pelo facto de ele ter uma "inspiração" fora do comum, com isto, não quero dizer que ele não regulava lá muito bem do sistema, muito pelo contrário, é merecedor de grande respeito e consideração pelo simples facto de ter tido uma imaginação e um EU interior capaz de se revelar em tantas personagens diferentges umas das outras e ainda por cima saindo de uma só pessoa.

Para quem possa não saber, eu sou estudante. Estou no 12ºano de Línguas e Humanidades. Como tal, iniciei hoje o estudo de Fernando Pessoa e seus heterónimos. Com isto descobri uma carta que Pessoa escreveu a Adolfo Casais Monteiro, em que tenta explicar os seus heterónimos.

Vou transcrever um parágrafo desta carta que é extremamente interessante:
"A origem dos meus heterónimos é o fundo traço de histeria que existe em mim. Não sei se sou simplesmente histérico, se sou, mais propriamente, um histeroneurastécnico. Tendo para esta segunda hipótese, porque há em mim fenómenos de abulia que histeria, propriamente dita, não enquadra no registo dos seus sintomas. Seja como for, a origem mental dos meus heterónimos está na minha tendência orgânica e constante para a despersonalização e para a simulação. Estes fenómenos - felizmente para mim e para os outros - mentalizaram-se em mim; quero dizer, não se manifestam na minha vida prática, exterior e de contacto com os outros; fazem explosão para dentro e vivo-os eu a sós comigo. Se eu fosse mulher - na mulher os fenómenos histéricos rompem em ataques e coisas parecidas - cada poema da Álvaro de Campos (o mais histéricamente histérico de mim) seria um alarme para a vizinhança. Mas sou homem - e nos homens a histeria assume principalmente aspectos mentais; assim tudo acaba em silêncio e poesia..."

O heterónimo que eu mais gosto de Pessoa é Álvaro de Campos. E nesta mesma carta descobri o porque. Porque "Campos, quando sinto um súbito impulso para escrever e não sei o quê."

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Sem inspiração...

Desde ontem que estou sem inspiração para escrever. Portanto se eu estiver alguns dias sem por nenhum post escrito no meu blog, é porque ainda não me senti inspirada para escrever alguma coisa que valha a pena ler.
Seja como for uma das coisas que eu acho importante é agradecer às pessoas o carinho delas (peço desculpa se estou a tornar-me um pouco repetitiva ou aborrecida, prometo que tentarei ser breve), com isto quero agradecer à Blair Randall por ter aparecido e me ter seguido, pois eu andava numa fase em que não sabia se iria continuar com o meu blog. E tu Blair deste-me esperança.Obrigada!
E quero felicitar a Daniela pela evolução do seu blog! Parabéns pelas tuas 4 mil e tal visitas! Continua =)
Beijinho*

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Bom fim-de-semana!!!

P!nk 2000

As fotos que se seguem são da cantora P!nk (Alecia Moore) no ano 2000.
Vou publicar a primeira série de fotos que escolhi, e irei publicar a segunda série mais tarde.
Só coloquei algumas para que vocês não passem a enjoar a P!nk.
Espero que gostem...





Adoro esta foto!

 








Adoro esta foto!




Eu sou fã da P!nk e tu?
Qual é a tua opinião sobre ela?
Gostas de alguma música dela?

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Obrigada Pessoal!!!

Hoje os meus colegas, da minha turma, resolveram-me fazer uma surpresa. Lembraram-se de me oferecer um monte de corações colados uns em cima dos outros, em que trazia mensagens de força e de apoio da parte deles. Eu não estava à espera de tal surpresa, mas a verdade é que adorei!
Muito Obrigada a todos por estarem ao meu lado e pela força que me transmitem.
Quero vos dizer que se um dia precisarem de mim, eu também vou estar aqui para vocês, mesmo que só precisem de uma palavra amiga ou de um conselho.
Obrigada a todos!!! Adoro-vos!!!

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Blogues interessantes!!!

Cada dia que passa encontro blogs novos super interessantes. Neste momento os que eu estou a ver mais são aqueles que falam de si próprios, mas também põem algumas imagens. Como já li em muitos blogs este mundo virtual é super interessante e realmente existe pessoas muito,muito queridas.

Blogs super interessantes:
Mais-Que-[Im]Perfeita
Xá das 5 com Blair Randall
As coisas que eu Acho

Henri Castelli

Emily Deschanel

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Tell Me Something Good by P!nk

Nada do que está escrito abaixo é relacionada com a P!nk. Excepto o facto de me ter inspirado na música para escrever o seguinte texto.

Finalmente de volta ao princípio da normalidade. Rotina, rotina, quantas saudades tinha eu de ti. Nunca pensei que um dia iria sentir falta do normal, do que já está destinado ser todos os dias.
Andava-me a sentir como se me estivessem a sufocar. Estava a começar a ficar sem ar, de forma softe. Pois por mais que eu quisesse fugir, só me estavam a tirar o ar aos poucos. Agora já posso respirar, mas tem de ser devagar, pois o terreno ainda é muito inserto e eu não sei com o que posso contar.
Hoje a minha vontade era gritar. Senti que nada do que via em meu redor era verdadeira, que estava tudo errado. A verdade é que finalmente tive um pouco de tempo para poder parar e olhar em meu redor, para ver que afinal nada saiu do sítio. Que as pessoas continuavam todas lá a fazer as suas tarefas do dia à dia.
Por mais voltas que a vida dê, acaba sempre por voltar à normalidade, e à rotina habitual. Pelo menos parte dela volta, enquanto que a outra parte temos de nos habituar às mudanças. O que importa é encontrarmos o equilíbrio para viver.